maio 27, 2010

A prevalência da generalização

Um dos ensaios que mais gosto de reler é o que fecha o volume do Curso de Literatura Europeia de Vladimir Nabokov: “A arte da literatura e o senso comum”. São tantos os insights, as colocações acertadas e esclarecedoras do autor de Lolita, que seria possível escrever vários ensaios sobre eles – ou apenas, o que sempre faço, desfrutá-los, saboreando o estilo, a ironia, os longos parágrafos em que Nabokov tece as mais inesperadas associações. Todo escritor, principiante ou não, deveria ler esse texto e as aulas de Nabokov, principalmente para abandonar um erro cada vez mais comum, ao menos na literatura brasileira contemporânea: o de conceder prevalência às generalizações aparentemente dominantes – e não ao que realmente importa, o que realmente pode descrever um fato ou um personagem: o pormenor incongruente.

2 comentários:

Bel Gurgel disse...

Bom, a palavra "insight" foi eu que teinspirei a escrevê-la,hj, tenho certeza. Quanto à crítica, ao escritor principiante ou não, eu to fora. Pq eu não passo de uma mera blogueira... Ufa...

Anônimo disse...

Hoje já é dia 10/06... cadê você?
Amiga desconhecida.