março 08, 2014

Um percevejo – Alberto Rangel e “Lume e Cinza”

Este mês, no jornal Rascunho, escrevo sobre Alberto Rangel e seu conjunto de narrativas, Lume e Cinza, de 1925, livro com o qual ele pretendia repetir o relativo sucesso de Inferno verde, publicado em 1908 com elogioso prefácio de Euclides da Cunha.

O escritor, contudo, se espoja na própria linguagem, deleitando-se como incontrolável Narciso, a ponto de comprometer a verossimilhança das narrativas, nas quais tudo transpira esforço pompeante e ornamentação vazia. Este é um trecho do meu ensaio:

Mas não joguei o volume pela janela antes de chegar à última página, pois tudo pode ficar pior quando se trata de retoricismo. É exatamente o que ocorre na parte final, quando ao discurso bombástico se acrescenta, num estilo exclamatório e anafórico, tremenda patriotada: a jangada é “diligente e volteira”, “humilde e libertadora”, “afoita e pescadora”. O monjolo é “o emblema da vida e da paciência no coração da roça”, mas depois se torna o “emblema da vida e da abundância no coração da roça” e o “emblema da vida e da pachorra no coração da roça”. A mandioca é o “pão do trópico”, a “mãe do trópico”, a “ração do trópico”, a “alma e segurança do trópico”, a “sustância e benefício do trópico”, a “salvação do trópico” e, finalmente, “riqueza dos pobres do trópico”.

Um comentário:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Sim, é um estilo que não favorece a objetividade, e não prende a atenção.