fevereiro 26, 2014

Um tesouro na Feira da Ladra

O universo dos cachimbos é repleto de itinerários sinuosos. Mas nenhuma cilada espera o fumante, a não ser aquelas que ele próprio, por inexperiência, pressa ou desconhecimento, arma contra si mesmo. E à medida que superamos os passos iniciais, os cuidados básicos que cachimbos e tabacos necessitam para nos recompensar – muitas vezes, com um prazer inesperado, surpreendente –, podemos educar nossa sensibilidade dando atenção a detalhes não menos importantes.

Um campo sempre aberto a investigações é o dos acessórios indispensáveis. Todo fumante conhece e usa, por exemplo, a famosa ferramenta tríplice, sem a qual a arte de cachimbar retrocede aos gestos grosseiros e hesitantes do primeiro homem que decidiu saborear fumaça. E uma rápida pesquisa na Web pode mostrar como o design dessa ferramenta básica evoluiu e se diversificou, adquirindo camadas de beleza e funcionalidade que, em muitos casos, transformaram a pipe tool num objeto artístico.

Como afirmei no início, o fumante, com alguns poucos cuidados, pode evitar ciladas. Mas ele jamais conseguirá prever as surpresas que o aguardam – principalmente se, ao seu lado, existe alguém disposto a tornar seu ritual diário ainda mais prazeroso.

Foi o que ocorreu comigo há algumas semanas.

Minha esposa, a principal responsável por eu ter começado a fumar cachimbo, esteve em Lisboa durante alguns dias e, nos intervalos do trabalho, visitou a conhecida Feira da Ladra, cujas origens remontam ao ano de 1272, reunião de vendedores dos mais variados tipos, incluindo os que se dedicam ao comércio de antiguidades. Num tapete estendido sobre a calçada, repleto de quinquilharias, depois de muita insistência e repetidas perguntas ao comerciante idoso, ela encontrou, no fundo de uma caixinha em que se aglomeravam os mais diferentes objetos, esta bela ferramenta:



Nem o próprio vendedor sabia qual a utilidade do estranho conjunto de peças. E quando recebi o presente, recorri, para ter certeza, a alguma pesquisa e a dois experientes amigos da Confraria do Cachimbo, Cláudio Carvalho e Luiz Leal.

Esse instrumento incomum, tão diverso dos tipos que encontramos atualmente, representa uma época em que a pressa e a economia de gestos ainda não eram exigências urbanas. Só o fumante talvez do início do século XX teria uma corrente presa ao colete, na qual poderia levar o relógio e este artefato indispensável ao seu prazer; só esse homem – com tempo disponível para desatarraxar calmamente a tampa, liberar a ponteira em espiral, afofar o tabaco, recolocá-la no interior do socador e fechar o conjunto – disporia de longuíssimos segundos e estaria pronto a gastá-los com prodigalidade.

Mas o inusitado presente não consegue apenas me transportar ao passado. Não. Ele me confirma que o ato de fumar cachimbos é um exercício de paciência no qual a afobação não tem lugar – uma cerimônia que me liberta da azáfama cotidiana, da pressão dos prazos, do atropelo de São Paulo, e me conduz a um espaço de calma e silêncio sem o qual é impossível pensar. Ou melhor, é impossível viver.

5 comentários:

Luiz Carlos Vaz disse...

Gurgel
Isso equivale a achar uma tumba com uma múmia desconhecida. Parabéns. Obrigado por compartilhar a experiência e as imagens do "misterioso" objeto.
Um abraço
Vaz

F. S. Gregório disse...

Excelente texto! Aliás, ótima descoberta (não do texto, mas do socador do cachimbo). Encontrei o meu numa de minhas idas à Pça. XV, Centro do Rio, num sábado pela manhã. Quando estiver em Lisboa em julho vou tentar encontrar algo bom por lá também.

Mario disse...

Olá Gurgel, interessante o objeto, mas apesar das imagens não entendi... era para carregar o fumo ou é um modelo de cachimbo, fumava-se nesse apetrecho de metal? Um abraço.

Rodrigo Gurgel disse...

Mário: essa ferramenta serve para socar ou afofar o tabaco dentro do fornilho do cachimbo.

Luiz e Gregório: obrigado pelos comentários!

Marcos Satoru Kawanami disse...

Sim, conforme uma das frases da Peterson, "Pipe is not for those who are in a hurry."
Também freqüento (com trema e sem tremer) o site da CAC. Sou fumante de cachimbo.