outubro 07, 2013

Como pensa um esquerdista?

Você deseja entender como pensa um esquerdista? Quer compreender a mentalidade revolucionária? Então, leia O Agente Secreto, de Joseph Conrad, publicado em 1907. Baseado em fatos reais – um atentado anarquista ocorrido em Londres, no ano de 1894, e que provocou a morte de seu autor, o francês Marcial Bourdin –, trata-se de um dos grandes romances políticos da literatura ocidental, comparável a O vermelho e o negro, de Stendhal, Os demônios, de Dostoiévski, Princesa Casamassima, de Henry James, ou O Zero e o Infinito, de Artur Koestler. Conrad faz uma análise implacável da “sangrenta futilidade” e da “irracionalidade malévola” dos movimentos revolucionários – e nos mostra como “o caminho da revolução, mesmo a mais justificável, é preparado por impulsos pessoais disfarçados em credos”. 

Esse e outros textos de Conrad serão analisados por mim no projeto “Relendo os clássicos”, sobre o qual já falei neste blog e que logo estará disponível no Cedet On-line.

5 comentários:

Sancho disse...

Obrigado pelas dicas, Gurgel. E vem em boa hora, quando fiquei de queixo caído lendo este texto:

http://blogdaboitempo.com.br/2012/08/08/dictatorship-of-the-proletariat-in-gotham-city-slavoj-zizek-on-the-dark-knight-rises/

O trecho que o Zizek destrói com o Evangelho é assustador.

Angelo Galvão disse...


É pena que um autor tão importante como J. Conrad não tenha uma boa editora no Brasil. Na edição de Agente Secreto que você indicou há um texto de apresentação em que se diz:

"Mas o livro é isto e muito mais do que isto. É um painel incrivelmente bem registrado da promiscuidade sórdida entre ministros, diplomatas, espiões, policiais e mercenários que desde sempre vem produzindo uma das piores modalidades correntes de terrorismo de Estado - no caso, aquela que se destina a provocar atos que justifiquem, diante da opinião pública, uma repressão mais violenta aos movimentos de trabalhadores e, particularmente, aos que ousam sonhar com um mundo sem as perversidades do capitalismo".

Aliás, essa editora (Revan) é comunista no limite do caricato.

As alternativas são edições de bolso com capas no estilo cafona-retrô.

Rodrigo Gurgel disse...

A Editora Imago, que publicou "O Agente Secreto" em 1995, Ângelo, também trata mal o Conrad. Na orelha, colocaram uma citação depreciativa do Fredric Jameson.

Matheus Oliveira disse...

Rodrigo, você poderia também acrescentar a essa pequena lista "A Tale of Two Cities" do Charles Dickens :) Abraços!

Matheus Oliveira disse...

Rodrigo, você poderia acrescentar a essa pequena lista também "A Tale of Two Cities" do Charles Dickens :) Abraços!