dezembro 07, 2008

Mestre Graciliano


Acabo de ler dois ótimos artigos sobre Graciliano Ramos e seu Vidas secas (que completa setenta anos de publicação e acaba de ganhar magnífica reedição pela Record): o de Reinaldo Azevedo - "Graciliano, o grande" -, na Veja, e o de Ronaldo Correia de Brito, em O Estado de S. Paulo - "Vidas Secas". Os dois reafirmam - o que nunca é demais - a qualidade do estilo de Graciliano, sua linguagem purificada, seu absoluto domínio da língua.

Reinaldo Azevedo salienta o repúdio do escritor ao "engajamento" na arte e dá pistas sobre os motivos de Graciliano ser colocado abaixo de Guimarães Rosa (típica injustiça, fruto de modismos, que o tempo haverá de corrigir). Mas Reinaldo faz, principalmente, uma bela análise da ética que perpassa a obra de Graciliano - muito distante do relativismo moral e cultural que impera atualmente -, compondo um artigo que merece não só leitura, mas reflexão.

Ronaldo Correia de Brito recorda outras qualidades de Graciliano - por exemplo, sua sábia distância do movimento modernista - e recoloca em pauta a questão do regionalismo, termo difuso, que tem servido para diminuir certos autores e enaltecer outros, tratando como universalistas apenas os que seguem a cartilha da vanguardice.

Ao falarem sobre Graciliano, Azevedo e Brito sinalizam o caminho daqueles que pretendem criar literatura - e não somente repetir as fórmulas emboloradas das vanguardas européias.

6 comentários:

Jonas Lopes disse...

Rodrigo, é muito bom ver seu blog atualizado com freqüência.

Abração

Rodrigo Gurgel disse...

Obrigado, meu querido Jonas. Também acompanho seu trabalho - cada vez melhor. Forte abraço e bom início de semana! Rodrigo

Tibiriçá Ramaglio disse...

Caro Rodrigo,

Vou lhe fazer uma confissão. Com todo respeito ao Graciliano Ramos, prefiro o José Lins do Rego, um grande escritor que não é tão celebrado quanto devia. "Fogo Morto" é um dos pontos altos da literatura brasileira.

Um abraço,

Tibiriçá

Rodrigo Gurgel disse...

Meu caro Tibiriçá,
Lins do Rego é realmente um dos bons autores nacionais infelizmente menosprezados.
Grande abraço! E obrigado pela visita! Rodrigo

Pedrita disse...

eu li recentemente são bernardo dele. maravilhoso! beijos, pedrita

daniel disse...

e melhor ainda que o "Vidas secas", na minha opinião, é "Angústia", livraço!